sexta-feira, 10 de julho de 2015

Eis que o fim vem!!!


Eis que o fim vem!!!

O que mais temos ouvido nos últimos anos em algumas emissoras de rádio e TV e principalmente depois da repercussão positiva ou negativa que o filme “2012” causou na época em que foi apresentado, falando sobre a possibilidade de que o mundo acabaria em 21 de dezembro de 2012, pois corresponderia ao final do calendário Maia, são previsões as mais esdrúxulas, muitas sem “pé nem cabeça”, baseadas apenas em superstições ou análises isoladas de especuladores.
Em cima desse gancho abriu-se um leque de possibilidades incríveis: foram gurus, que ganharam espaço para fazerem suas “previsões” boas ou más sobre as celebridades do momento; os cientistas, que procuraram negar toda e qualquer possibilidade de um final do mundo baseado nas previsões religiosas de quem quer que fosse; os ufólogos, que não perderam a oportunidade de falar sobre os seus “irmãozinhos” extraterrestres  e o interesse que esses seres têm de nos ajudar na solução dos nossos problemas ambientais; os ateus e os céticos que encontraram uma oportunidade de exporem seus motivos para não crerem em nada e justificarem que o melhor a fazer é viver o presente porque o futuro a ninguém pertence, pois o que encontraremos depois da morte é simplesmente o nada absoluto; os políticos que aproveitaram a oportunidade para exporem seus “projetos” para salvaguardar a ordem e tranquilizar a população para que em acontecendo algo em seus governos eles estariam preparados para toda e qualquer intempérie, e não poderiam faltar, é claro, os religiosos, munidos com seus livros sagrados e cada um puxando a “brasa para sua sardinha” na certeza de que seus dizeres são os únicos que devem ser interpretados como verdadeiros: uns alegando que o mundo acaba agora, outros que ele não acaba agora, outros ainda dizem que um dia acaba, mas não é para agora e alguns religiosos brasileiros podem até dizer, diante da experiência que têm, que tudo acabará em pizza, como tem ocorrido em todas as catástrofes pelas quais passamos em terras tupiniquins.
Para justificarem suas posições, uns dizem que o mundo acabará porque o ser humano está destruindo a natureza, acabando com a camada de ozônio e coisas assim; outros alegam que o mundo acabará porque o homem tem-se afastado de D’us e o Senhor com toda certeza está “pesando a mão” sobre todos os pecadores; outros ainda dizem que o que haverá em verdade é a transição desse mundo que conhecemos para um mundo novo, regenerado, onde somente os “bons espíritos” sobreviverão e nele habitarão, porque o planeta que está se aproximando da Terra (Absinto, planeta chupão e tantos nomes que lhe são dados) irá trazer sérias consequências em todas as áreas e atrairá para si todos os “maus espíritos”, ou antes, os “péssimos seres humanos” que habitam esse pobre planeta perdido na imensidão do Universo, e não faltam aqueles que crêem que o leão e o cordeiro vão andar lado a lado num paraíso terrestre que se seguirá após a trágica ocorrência.
Diante de tantas possibilidades que se nos apresentam o que podemos considerar como sendo verdadeira?
Essa pergunta é muito subjetiva, pois cada qual entenderá da maneira que melhor lhe aprouver.
Para aqueles que acreditam que há um “nada” depois da morte, a certeza de que haverá uma tragédia de proporções mundiais pode aguçar o desejo de se tornarem ainda mais materialistas, pouco se importando com os acontecimentos, desde que estejam “bem na fita”, como dizem alguns...
Para aqueles que em tudo crêem, o simples mencionar de catástrofes apocalípticas fará com que veja em todas as coisas os sinais “aparentes” de que ela já está acontecendo...
Enfim, essa é a tônica do nosso dia a dia. A história de nossas vidas é escrita a todo o momento e nela vemos personagens das mais variadas características e que podem com toda certeza se enquadrar nos exemplos que mencionamos acima.
Infelizmente, a vida humana não passa de mercadoria barata para muitos exploradores que por mais que saibam que o tempo da escravidão acabou ainda querem manter cativos os mais necessitados, como ocorre não apenas com os nossos irmãos bolivianos, coreanos e tantos outros que são literalmente mantidos como escravos por muitos comerciantes, que visando maior lucratividade não medem “esforços” para subjugar esses pobres necessitados que deixaram tudo em suas terras na esperança de conseguirem uma vida melhor e mais digna para si e para suas famílias e que em aqui chegando encontram apenas trabalho, trabalho, trabalho e mais trabalho sem nenhum tipo de remuneração, a não ser os parcos alimentos que lhes são servidos a preço de ouro.
Esse mesmo quadro pode ser observado em outros segmentos, onde as drogas e a prostituição são cartões de visita para consolidar um “status quo” que essa sociedade consumista estabelece como sendo o ideal para os “vitoriosos”, que num futuro não muito distante irão lotar as clinicas de dependentes químicos e divãs de psicólogos e psiquiatras na busca de suas origens, na busca de um prumo para suas vidas, um ponto de equilíbrio para recomeçarem.
Que sociedade é essa na qual estamos vivendo?
Que importância tem se o mundo vai acabar hoje, daqui a alguns anos, milênios ou se nunca vai acabar?
As pessoas se preocupam tanto com o fato de existir ou não vida extraterrestre e não estão nem um pouco preocupadas com os nossos “terrestres” que passam pelas maiores privações.
Gastam-se cifras que nem imaginamos em pesquisas espaciais, enquanto a África é berço continuo de desgraças sem fim, onde a fome, a AIDS, a mortalidade infantil é uma das maiores do mundo, onde as mulheres “vendem” os seus corpos em troca de migalhas de pães que possam “saciar” sua fome de alimentos, mas que nunca poderão nem ao menos acalmar as tragédias intimas pelas quais passam todos os dias.
Esse é o mundo no qual vivemos. Com todos os seus problemas, com sua camada de ozônio sendo destruída, com as florestas sendo devastadas, e apesar de tudo isso, nossos governantes não dão à mínima para os necessitados.
Mas o fato de sabermos que essas coisas poderão acontecer deve fazer com que deixemos de socorrer os enfermos, ou amparar os necessitados de toda ordem? De forma alguma! O fato de sabermos que essas tragédias humanas e naturais estão acontecendo deveriam despertar em nós um sentimento de irmandade ainda maior por todos os que vivem no planeta, independente da fé que professam, porque a dor e o sofrimento vêm para todos os habitantes da terra, quer sejam pobres ou ricos, fortes ou fracos, instruídos ou incultos, religiosos ou ateus.
Pensemos nisso e façamos a nossa parte na construção de um mundo melhor, no qual, possamos salvar a maioria, a fim de que o amor de D’us possa nos alcançar da melhor maneira possível e encontre corações dóceis para cumprirem a Sua vontade.

Se o fim virá da forma como se estabelece nas mentes humanas não o podemos afirmar, mas de uma coisa temos com a certeza: Precisamos fazer algo para melhorar a nossa convivência neste planeta.
Se você faz parte daqueles que pensam que tudo está bem e se melhorar estraga, eu quero convidá-lo a olhar para dentro de si mesmo, faça uma breve reflexão sobre os acontecimentos mundiais e veja se realmente o mundo está melhorando, se as pessoas estão sendo mais solidárias, se o amor tem alcançado as pessoas de diferentes classes sociais ou se ao invés disso, apesar de todo avanço tecnológico, não estamos vivendo como nos tempos da idade média, onde as mulheres eram apenas objeto de uso para seus maridos, onde as crianças não eram respeitadas e onde valia mais o poder da força do que o do amor.
Espero que ao final desta análise íntima, você possa chegar à conclusão de que há muito a ser feito e que não podemos esperar nem mais um minuto para colocarmos as mãos na massa, arregaçarmos as mangas e trabalharmos em prol da construção de um mundo melhor e mais digno de ser vivido.
Muita paz a todos!
Ben Baruch


Nenhum comentário:

Postar um comentário