sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Pecados em méritos


O rapaz estava de pé na rua apinhada, contemplando a cena. Sua vida na cidade era empolgante – como podia ter vivido na cidade de Berditchev? Oh! Bem, agora, era um homem do mundo – nada era proibido para ele. Entrou à direita e continuou descendo a rua ladeada de árvores, a caminho de seu bar predileto. Ali, poderia ficar com pessoas tão inteligentes e espirituosas quanto ele. Como era bom não ter de viver naquela aldeia empacada nos antigos rituais judaicos.
E assim, seus dias e noites eram passados em discussões políticas e bebida. Pela manhã, frequentava o mesmo café e folheava o jornal diário, procurando algum artigo de interesse que pudesse comentar com seus companheiros. Durante a tarde ele percorria as ruas sempre fascinantes, e à noite, voltava ao café, onde ele e os amigos se encontravam para trocar conceitos elevados e intelectuais.

As mitsvot (mandamentos), tão cuidadosamente ensinadas a ele pelos pais, jamais lhe vinham à mente, tão embevecido estava com os sons e visões da cidade grande. Muitos, se não a maioria, de seus novos conhecidos eram judeus também, e tinham conseguido "escapar" dos estreitos confins das cidades e aldeias como Berditchev. Tinham abandonado os ensinamentos recebidos de seus pais, avós e incontáveis gerações de ancestrais que se apegavam, apesar de todas as dificuldades, à mesma Torá.

Certa manhã, enquanto jazia na cama planejando as atividades daquele dia, foi surpreendido pela senhoria que batia à porta. O que desejaria ela? pensou ele, ao pular da cama para vestir um robe. Ela parecia pouco à vontade ali, e estendeu a mão para entregar-lhe um telegrama.
"De casa" – disse ela. Ao pegá-lo, o rapaz sentiu-se apreensivo. Seus pais jamais enviariam um telegrama se não houvesse um motivo muito sério. Seus piores temores se confirmaram quando leu a mensagem. Através do véu de suas lágrimas, leu repetidas vezes as palavras: "Papai faleceu. Venha para casa. Mamãe."

Ele afundou na cadeira. Papai se fora. Oh, não.

Passou o funeral, e os sete dias de shiv'a terminaram, porém ele continuou junto da mãe viúva, envolto em seu próprio luto cinzento. O mês de Elul chegara, e o sentimento festivo era quase palpável. Ele não sabia por quê, mas por algum motivo, encontrava conforto nos sons e visões familiares da sua velha cidade onde nascera.

O jovem caminhava sem rumo por Berditchev, imerso em pensamentos, quando de repente sentiu uma mão no ombro. Era o Rebe, Rabi Levi Yitschac, famoso pelo grande amor que devotava a seus irmãos judeus.

"Saiba, meu jovem, que estou realmente invejoso de você" – declarou o Rebe, sorrindo.
O rapaz estava incerto sobre o que viria em seguida. Esperou pela próxima frase. Reb Levi Yitschac continuou: "Durante estes dias de arrependimento, todo judeu tem a oportunidade de retornar verdadeiramente a D’us, de transformar seus pecados em méritos."

O jovem riu. "Bem, se for este o caso, o senhor ficará ainda mais invejoso no próximo ano. Pois então terei uma nova pilha de pecados para cuidar!"

"Deixe-me contar uma história a você", disse o Rebe, "certa vez, um proprietário rural estava viajando por sua propriedade quando irrompeu uma terrível tempestade. Ele parou numa estalagem que lhe pertencia, a qual alugava a terceiros, esperando encontrar abrigo dos elementos. Mas quando levou os cavalos até o estábulo, a chuva caía em torrentes através dos buracos no telhado.

"Bem" – pensou ele – "pelo menos na estalagem poderei me enxugar." Mas quando entrou no salão, a situação não era muito melhor. Poças do tamanho de lagos estavam espalhadas pelo chão, e uma umidade desagradável invadia o ambiente.

"O furioso proprietário aproximou-se do estalajadeiro, dizendo: 'Quando aluguei este imóvel a você, tudo estava em perfeitas condições. Por que deixou que se deteriorasse até chegar a esse estado?!'"

"'Excelência' – gaguejou o constrangido estalajadeiro – 'eu sabia que o senhor terminaria vindo aqui, mas não pensei que fosse tão depressa.'"

Com aquilo, Rabi Levi Yitschac virou-se e se afastou, mas sua historieta tinha plantado uma semente na mente do rapaz.

Poucos dias depois de Rosh Hashaná. o jovem caiu doente. A moléstia piorou, e muitos especialistas foram chamados, mas nenhuma cura pôde ser encontrada. Em poucas semanas, ficou evidente para o jovem que seu fim estava se aproximando a passos largos. Ele lembrou-se da história do rabino e foi consumido pelo arrependimento, vendo como tinha desperdiçado sua preciosa vida que agora estava se escoando.

Enviou uma mensagem a Rabi Levi Yitschac, implorando que viesse vê-lo e aconselhá-lo sobre o caminho a seguir, pois sua alma judaica não o deixava em paz. Rabi Levi Yitschac foi imediatamente. Sentou-se ao lado da cama do rapaz dia após dia, instruindo-o e encorajando-o, até que ele chegou ao verdadeiro e completo arrependimento.

Fonte: Chabad
....................
Ao contrário do rapaz mencionado no texto, não precisamos chegar ao limiar da morte para nos arrepender dos erros cometidos e nos ajustar aos padrões Divinos.
Nossa passagem por este mundo é rápida e efêmera, mas constituída de objetivos nobres e edificantes: nascemos, crescemos e nos instruímos a fim de melhor conhecermos os caminhos traçados pelo Eterno para as nossas vidas. Nosso objetivo maior neste mundo é demonstrar através de nossas palavras, pensamentos e atos o quanto estamos próximos ou distantes dEle. Caminhar com Deus pode ser uma tarefa árdua, pesada e cansativa para alguns, mas suave e prazerosa para outros.
Que o Eterno nos ajude a escolher o caminho que nos aproxime de Seu infinito amor e nos traga a paz real que somente nEle encontramos.


Ben Baruch

Nenhum comentário:

Postar um comentário