sábado, 26 de maio de 2012

Vale a pena conquistar o mundo?



Vale a pena conquistar o mundo?

Diante das lutas e incertezas que a vida nos apresenta, muitas pessoas, principalmente na época em que vivemos, entendem que se alcançarem uma posição de destaque na sociedade isso lhes dará a tão almejada tranquilidade física, espiritual e emocional.
Diariamente tomamos conhecimento de pessoas que ao longo da vida conquistaram muito dinheiro e hoje desfrutam de grande prestígio e poder; muitas até alcançaram cargos públicos e detém o poder temporal absoluto sobre o povo – que vem a ser o caso de tantas ditaduras espalhadas pelo mundo e de cujas atrocidades diariamente temos noticias. Afinal de contas, pensam elas, que pelo fato de serem poderosas e quer as pessoas gostem ou não, todas lhes devem obediência e servidão.
Essas pessoas têm tudo o que, aos olhos de muitos, alguém poderia sonhar ou precisar para ter uma vida feliz e sem problemas. Esse é o pensamento daqueles que andam freneticamente em busca de poder e riquezas; que fazem desta busca o alvo de suas vidas, como se as conquistas matérias que conseguimos neste mundo pudessem ser levadas conosco quando a morte nos alcançar. São os faraós atuais. Se pudessem, colocariam em seus túmulos todos os seus pertences para utilizá-los quando acordassem no mundo espiritual.
Quantos têm buscado conquistar esse poder temporal e através dele adquirir riquezas, acreditando encontrar nelas a solução para todos os seus problemas?
Não é difícil imaginar seus pensamentos: “Quem sabe, se eu conseguisse juntar certa quantia em dinheiro as pessoas não me veriam de maneira diferente?...”
Se isso fosse verdadeiro, os materialistas estariam tranquilos em seus palácios suntuosos e seus espaçosos escritórios, de onde dominam a tudo e a todos, demonstrando o seu imenso poder econômico – que infelizmente em nossos dias, está servindo de parâmetro para muitas pessoas –, mas não estão, porque as dificuldades, os problemas e os sofrimentos veem para todos os habitantes da Terra, pois os parâmetros Divinos e a necessidade de crescimento espiritual são bem diferentes dos estabelecidos pela sociedade em que vivemos.
Na visão de muitos, a pessoa vale pelos bens que possui e pelo que conquistou financeiramente, ou seja: quanto tem depositado e aplicado em instituições financeiras, quantas propriedades possui, quantos empreendimentos administra e por aí afora. Na visão de Deus, conforme os Escrituras nos revelam, a pessoa vale pelo relacionamento que tem com o Eterno, com o que ela reparte com os demais e pela sua capacidade de amar ao próximo. E adverte: Quando olhamos para os valores que Deus nos ensinou através de seus profetas, percebemos que são flagrantemente contrários aos ensinos que são apregoados em nosso mundo atual:
Jó 5:17 Bem-aventurado é o homem a quem Deus disciplina; não desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso.
Salmos 1:1  Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
Salmos 32:1  Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto.
Salmos 32:2  Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo.
Salmos 34:8  Oh! Provai e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia.
Salmos 40:4  Bem-aventurado o homem que põe no SENHOR a sua confiança e não pende para os arrogantes, nem para os afeiçoados à mentira.
Salmos 41:1  Bem-aventurado o que acode ao necessitado; o SENHOR o livra no dia do mal.
Salmos 65:4  Bem-aventurado aquele a quem escolhes e aproximas de ti, para que assista nos teus átrios; ficaremos satisfeitos com a bondade de tua casa — o teu santo templo.
Salmos 72:17  Subsista para sempre o seu nome e prospere enquanto resplandecer o sol; nele sejam abençoados todos os homens, e as nações lhe chamem bem-aventurado.
Salmos 84:5  Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração se encontram os caminhos aplanados,
Salmos 89:15  Bem-aventurado o povo que conhece os vivas de júbilo, que anda, ó SENHOR, na luz da tua presença.
Salmos 94:12  Bem-aventurado o homem, SENHOR, a quem tu repreendes, a quem ensinas a tua lei,
Salmos 112:1  Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme ao SENHOR e se compraz nos seus mandamentos.
Salmos 128:1  Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e anda nos seus caminhos!
Salmos 144:15  Bem-aventurado o povo a quem assim sucede! Sim, bem-aventurado é o povo cujo Deus é o SENHOR!
Salmos 146:5  Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no SENHOR, seu Deus,
Segundo a orientação Divina, o critério para identificarmos se um homem é ou não um bem-aventurado, não deveria partir da observação daquilo que tem conseguido acumular exteriormente, ou seja, seus bens materiais e sua posição social, mas daquilo que brota de seu interior, do seu coração, da sua alma, porque, ao contrário das coisas materiais e temporais, eles são tesouros eternos.
O tesouro que esse homem consegue juntar é guardado nos céus e não na Terra. São valores espirituais que o ajudarão a conquistar uma vida plena e realizada espiritualmente.
            Ter dinheiro não é “pecado” nem delito, ao contrário: é uma bênção quando conquistado honestamente e quando o usamos com sabedoria, e não objetivamos apenas o nosso próprio beneficio, mas também dos necessitados de toda ordem que a Providência Divina coloca em nosso caminho. Mas quando agimos de forma diferente ele – o dinheiro – acaba se tornando um laço em nossas vidas, fazendo com que busquemos satisfazer somente aquilo que nos agrada, pouco ou nada nos importando se esse comportamento nos afasta ou não dos propósitos espirituais que projetamos ao nascer.
Salomão, assim nos ensina: “Não te fatigues para seres rico; não apliques nisso a tua inteligência. Porventura, fitarás os olhos naquilo que não é nada? Pois, certamente, a riqueza fará para si asas, como a águia que voa pelos céus.” (Pv 23.4,5)
Por que isso acontece? Porque quanto mais essas pessoas adquiriram, mais preocupações acabaram tendo. Quando não tinham tantas propriedades e recursos nada temiam diante das outras pessoas, ao passo que agora, como têm tantas coisas para administrar, muitas vezes não conseguem mais viver em paz. Vivem cercadas de guarda-costas e acabam enclausuradas em suas propriedades.
Antes da fortuna podiam sair com tranquilidade e se alegravam com isso. Hoje não conseguem nem sair de casa, com medo de serem assaltadas ou sequestradas.
Muitas vezes, passam a acreditar que todas as pessoas que se aproximam estão em busca de algum tipo de vantagem. Não acreditam nem admitem, em muitos casos, que as pessoas se aproximam porque simplesmente as amam.
Isso é bênção ou maldição?
Você ainda acredita que é melhor viver assim?
Não estamos afirmando que devemos viver pauperrimamente para nos aproximar de Deus. O que queremos afirmar é que se buscarmos mais as riquezas materiais, em detrimento das espirituais, acabaremos com tantas preocupações que não conseguiremos mais encontrar um tempo para Deus.
Muitos de nós, na busca de alcançar sucesso e prestígio na vida, acabamos nos associando com pessoas completamente diferentes de nós.
Quando conseguimos ver com clareza percebemos o quão errado estávamos e nos perguntamos como é que aceitamos estar associados com aquele tipo de pessoas. Naquele momento não achávamos que estávamos errados, mas que errados estavam todos aqueles que nos aconselhavam do mau caminho em que estávamos andando.
Não devemos nos enganar: quanto mais nos aproximamos desenfreada e desmedidamente das facilidades que o mundo nos oferece e sentimos prazer nelas, mais nos distanciamos das coisas de Deus.
            Nunca devemos ter a pretensão de achar que somos espirituais o suficiente para não cair em armadilhas diante do poder e das riquezas que o mundo nos oferece.
            Se quisermos buscar essas “conquistas”, precisamos nos lembrar das palavras Davi quando disse: “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações.” (Sl 46.1)
            Esse desejo de buscar refúgio e descanso na presença de Deus deve ser uma constante na vida de todos nós. Devemos empenhar todos os nossos esforços nesta conquista e isso não se refere às coisas materiais, mas sim, as espirituais.
            Que o Senhor nos dê entendimento e sabedoria para vivermos no presente século e que essa busca desenfreada pelo poder e pelas riquezas materiais não contaminem o nosso coração, fazendo com que nossa estadia nesse mundo seja infrutífera, atrasando assim o nosso progresso espiritual e levando-nos ao arrependimento tardio, quando, deixando esse mundo e abrindo os olhos no mundo espiritual, percebermos que fracassamos e que teremos que recomeçar em uma nova existência o que poderia ter sido realizado na que deixamos.

Pense bem nisto e dê valor ao que realmente vale a pena.

(בן  ברוך) Ben Baruch

2 comentários:

  1. Adorei as postagens desse blog!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Mari, obrigado pela visita. Que bom que você gostou, volte sempre que desejar.
      Muita paz.

      Excluir