sábado, 19 de maio de 2012

Um mundo melhor para todos.




Um mundo melhor para todos.

Residindo em uma cidade como São Paulo, onde os conflitos sociais são mais destacados que em pequenas localidades, podemos observar como as pessoas se comportam diante das necessidades do próximo.
Boa parte se mostra indiferente e, julgando-se importante ou superior, contempla de longe, como mero espectador aos mais necessitados. Para eles, aquelas pessoas, jogadas nas calçadas, refletem apenas o resultado de uma vida desregrada que as conduziu a uma série de dissabores e frustrações que culminaram no abandono familiar e no alijamento social.
Quando o problema não é de extrema dificuldade como no caso desses irmãos que carregam seus pesados fardos e sofrem seus dramas pessoais nas ruas, mas dentro de casa ou entre os amigos, boa parte da população se justifica e se prendem ao famigerado provérbio popular que diz que “cada um deve procurar resolver os próprios problemas”, não sendo nem obrigação nem oportuno meter-se na vida dessas pessoas.
É assim que pensam os egoístas e com frequência são eles os que mais necessitam de orientação para mudar a forma de pensar e agir.
Felizmente não são todos que pensam dessa forma. Ainda há esperança!!
Alguns se preocupam tanto que ao simples fato de notarem que alguém precisa de cuidados, prontamente oferecem ajuda, apesar de às vezes nem ao menos saberem como fazê-lo. Para esse seleto grupo de Atalaias do Amor de Deus, o próximo não é um estranho, mas é como se fizesse parte de seu próprio corpo. Ele sente as angústias, as dificuldades, os problemas e os sofrimentos do próximo como se fossem seus e isso os compele a fazer algo, mesmo que aos olhos indiferentes de alguns, seus esforços pareçam insignificantes, fadados ao fracasso e sem perspectivas de sucesso futuro.
Para eles, é preferível aplicar os primeiros socorros e aguardar atendimento especializado do que não fazer nada para estancar os ferimentos daqueles que sofrem e que a Providência Divina colocou em seu caminho.
“Cada pessoa é um mundo inteiro. Faça um favor a uma pessoa, e faça um mundo de diferença”.
As maiores e melhores mudanças são aquelas que produzimos em nosso interior e exteriorizamos aos que nos cercam: amor, atenção e companheirismo podem melhorar tudo à nossa volta.
Nosso mundo necessita urgentemente de pessoas compromissadas com a verdade e com a ética, mas acima de tudo busca angustiadamente por pessoas que sejam apenas humanas e olhem com humanidade para seus irmãos; que sintam suas necessidades e se ofereçam para ajudar no que puderem.
Amar ao próximo como a ti mesmo, como nos ensina o texto de Levítico 19.18, concitando-nos à ajuda mútua e sem reservas.
Se o Eterno nos orienta nesse sentido é porque somos capazes de agir assim. Façamos então por merecer a Sua confiança: agindo prontamente quando as oportunidades se apresentarem ou quando tomarmos conhecimento de que alguém espera por nossa ajuda.
Agindo assim, cada um de nós, apesar do tamanho e da divulgação da boa ação empreendida, poderemos colaborar para a realização de um mundo melhor para todos.
Lembre-se do conselho de nossos sábios: “Quando uma Mitsvá surgir à sua frente, por menor que seja, cumpra-a, pois o mundo inteiro poderá estar dependendo do seu cumprimento.”


(בן  ברוך) Ben Baruch

Um comentário:

  1. Olá Ben. Bom te ver no Arca. Para o bem acontecer no exterior, é preciso, primeiro, arrumar nossa casa interior. Grande abraço.

    ResponderExcluir