quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Você se importa com os outros?

Muitos de nós atribuímos ética à vitória, e não há nada de errado com isso. Vencer é uma motivação excelente e nos esforçamos porque há algo que queremos conquistar.

Nem toda vitória acarreta uma perda correspondente, mas como adversários em jogos ou outras competições, somente podemos vencer se alguém perde.
Comemorar o brilho da vitória é um prazer, mas se você é o vencedor numa situação competitiva, apenas lembre-se, alguém perdeu, e provavelmente está ferido. É tão importante ser um bom vencedor como ser um bom perdedor. No jogo da vida é preciso saber lidar com ambas situações.
Muitas pessoas criticam os meios de comunicação de massa. Ouvimos muito sobre jornalismo irresponsável, e quão injusto é expor alguém ao ridículo, especialmente quando pode não ser possível desfazer o dano se a acusação estiver errada. Vale a pena saber se todos aqueles que criticam a mídia, refreiam-se ao falar de forma pejorativa sobre outros. Uma pessoa pode ser prejudicada por fofocas irresponsáveis na vizinhança, tanto quanto por um artigo no jornal. Você pode estar certo a respeito de jornalismo irresponsável, e suas expressões de justa indignação podem ou não ter um impacto nesta prática. Mas há um tipo de assassinato de dignidade pelo qual você pode fazer muito a respeito, e isso é sua maledicência sobre outros. Jornalistas que arruínam a reputação de outros são motivados pelo desejo de serem considerados bons repórteres. Indivíduos que difamam as pessoas provavelmente estão tentando se valorizar à custa dos outros. Ambos são egoístas e sem consideração.

Não use outras pessoas para se valorizar.
As pessoas cometem erros. Às vezes o fazem sem intenção, e neste caso devem ser perdoados.
Às vezes o fazem por egoísmo, e se este comportamento descuidado ou egoísta ofende os outros, então de fato precisam ser repreendidos ou punidos. Mas muito freqüentemente nossa sociedade tão sofisticada persegue alguém com uma sede de vingança tão repreensível como o ato que está sendo condenado.
Há uma linha tênue separando aprovação de comportamento anti-social ou irresponsável por um lado, e ser impiedoso por outro. Talvez a linha não seja tão tênue, afinal, porque parece haver muita latitude entre as duas.
Punição como retribuição pode ser defendida. Punição como um freio também faz sentido. Mas gratificar-se por ver alguém sofrendo é indefensável e indica a presença de emoções doentias. Castigo por um ofensa requer que o ofensor seja "ferido". Mas isso deve bastar. Adicionar insulto à injúria não degrada os outros. Apenas degrada a nós mesmos.
Sabia que certas pessoas sentem-se mais confortáveis relacionando-se com animais que com outros seres humanos? Porque animais transmitem o que sentem, e sua comunicação pode ser confiável. Se estão furiosos, eles rosnam; se são agradados, ronronam, sacodem a cauda ou coisa parecida. Porém, como não podem falar, não têm meios de comunicarem nada mais que o que sentem.

Pessoas são diferentes. Somos seres sofisticados com a habilidade da comunicação verbal.
Dessa forma, podemos dizer uma coisa e expressar outra.
O que podemos não perceber é que também usamos métodos não verbais de comunicação animal, mas esse comportamento não está sob nosso controle voluntário. Podemos controlar o que dizemos, mas nossos reais sentimentos são comunicados de alguma outra maneira. Se as duas mensagens estão em conflito, a comunicação será confusa, na melhor das hipóteses.
Se você acha que a pessoa não tem uma chance em um milhão de ter sucesso, fale que tem algo para lhe dizer. Se acha que a pessoa pode ter sucesso desta vez, apesar dos desempenhos anteriores, então diga-lhe.
A melhor razão para não mentir não é porque a mentira é imoral ou não tem ética, mas porque as pessoas não são boas mentirosas, pelo menos não quando isso diz respeito à relacionamentos pessoais, quando sentimentos são tão importantes quanto os fatos. Então, não pense uma coisa e diga outra, porque sua mensagem verbal está propensa a ser irremediavelmente confusa. A única certeza que saltará aos olhos é que você não é confiável.

Da próxima vez que ganhar um jogo aja: a maior vitória é elevar seu adversário.
Chabad

Nenhum comentário:

Postar um comentário