quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Nisto creio!



Nisto creio!

Às vezes somos colocados em um meio onde temos que escolher entre demonstrar publicamente nossa forma de pensamento e convicção em relação ao mundo espiritual ou manter a comunhão entre os que pensam de forma diferente, principalmente no seio doméstico, e que, se fossem confrontados em sua fé, isso não resultaria em nenhum benefício imediato, podendo até mesmo ocasionar uma ruptura familiar.
Pouco importa o nome pelo qual alguém se dirige ao público geral; exemplo disso são escritores que se utilizam de pseudônimos para expressar o que sentem, a fim de que o conceito que nutrem junto ao meio acadêmico não influencie na análise dos que leem seus textos, objeto de suas novas pesquisas. No meu humilde entendimento, creio que muito mais importante que o nome ou título do autor, seja o conteúdo da mensagem que este transmite, se estiver firmada em conceitos espirituais que não se confrontem com os ensinamentos que Deus legou, não somente ao povo judeu, mas a toda a Humanidade e que levem seus leitores a promoverem a paz e a distribuírem amor entre seus semelhantes, então a sua mensagem merece atenção e respeito.
Creio que cada um de nós nasce para cumprir uma missão divina e pessoal neste mundo.
Divina, porque fomos criados para nos relacionarmos com Deus e para que essa aproximação se efetive, necessitamos cada vez mais nos aperfeiçoar espiritualmente, através da nossa melhoria pessoal, conseguido através da vivência harmoniosa em nosso dia a dia.
Pessoal, porque necessitando reparar os erros que cometemos, temos a oportunidade, concedida por um Deus amoroso, de nos arrepender e com isso cumprir nossa divina missão: nos aproximarmos dEle.
Esse tem sido nosso propósito: promover a paz e colaborar na construção de um mundo melhor, rompendo assim as paredes de separação que existem entre irmãos que professam diferentes formas de pensamento religioso.
Pode ser que você, assim como eu, também enfrente situação parecida entre seus familiares e amigos. Não esmoreça, nem se entregue ao abatimento que não leva a lugar algum, mas apenas, nos distancia ainda mais do alvo proposto. Nossa vida não consiste nesses poucos anos que passamos na Terra e também não somos perfeitos para que nos sintamos portadores exclusivos da verdade.
Somos todos aprendizes da vida, carentes das bênçãos Divina.
Muitas vezes as lutas e as dificuldades encontradas no dia a dia nos conduzem a estados lastimosos e depressivos, e invariavelmente acabamos murmurando por não estarmos conseguindo superar as provas pelas quais estamos passando.
Quando isso acontecer, busque o consolo e o reconforto em Deus e siga em frente, sem esmorecer.
Tomemos o exemplo de homens e mulheres que, mesmo diante da indiferença e do menosprezo dos que os acusaram injustamente, encontraram ocasião de agradecer a Deus, cumprindo assim o destino e a missão a que se propuseram: Mostrar aos homens que, apesar das evidências contrárias, há sim condições de transformar o mundo para melhor e que somente o amor verdadeiro pode impedir o fluxo do ódio e da indiferença entre os homens.
Mesmo que pareça que tudo esteja conspirando para o nosso fracasso, isso nunca acontecera se confiarmos a Deus o nosso socorro, através da oração e da certeza de que Ele nos atenderá.

A Divina providência nunca nos desampara.

(בן  ברוך) Ben Baruch

2 comentários:

  1. Um post bem reflexivo. É como se a própria vida estivesse nos perguntando se estamos seguindo o nosso coração, a nossa convicção. Porque a Terra é uma escola, somos confrontados com as provas que nos perguntam se estamos nos aprovando ou não. Mesmo que repitamos nas provas, outras oportunidades teremos e se algo aprendermos com a reprovação, já valeu a prova.
    E se nos dizemos seguidores do Mestre, é porque temos a convicção que seus ensinos são os melhores. E Ele nos exemplificou mostrando o caminho da nossa redenção. Se somos os únicos responsáveis por nossos atos e reações, quanto mais consciente tivermos disso, mais estaremos caminhando a Deus a passos largos. Se não, a "eternidade" é o nosso caminho.

    Um grande abraço, meu Amigo!!

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo Jorge,muita paz!
    Como sempre seus comentários são recheados de sabedoria e entendimento.
    Somos ainda imperfeitos e por não conseguir ver as coisas com a clareza necessária mudamos muitas vezes os planos para trilharmos o caminho que escolhemos, mas louvamos a Deus pelas oportunidades que nos concede para retomarmos o caminho, aprendendo com nossos erros e seguindo adiante.
    Muito obrigado por seu comentário.
    Grande abraço.
    Ben Baruch

    ResponderExcluir